ARTIGOS

Esporte na Infância e Adolescência

Como é possível identificar qual a melhor atividade para a criança?

Sabemos dos benefícios das atividades esportivas em promover a saúde e bem estar, melhorando a flexibilidade, equilíbrio, ganho de massa óssea, força muscular, diminuição do peso, diminuição do estresse, tolerância. Desenvolvem também a autodisciplina, a cooperação e o trabalho em equipe.
 

A OMS recomenda:
- 0 a 2 anos – piscina
– estimula coordenação motora. Iniciar a partir dos 9 meses.
- pré-escolares (2 a 5 anos) - atividades estruturadas e não estruturadas, divertidas, 7 vezes na semana, por 120 minutos/dia – natação, dança, capoeira, lutas, ginástica artística e atividades em grupo. Sem competição.
- escolares (6 a 10 anos) – atividades moderadas e alta intensidade, que proporcione agilidade, equilíbrio, coordenação e diversão, 7 vezes na semana por 60 minutos/dia ou no mínimo 3 vezes na semana por 1 hora. – diversificar as modalidades e mais coletivas (futebol, vôlei, basquete, etc) Sem competição.
- 11 a 13 anos – treinamento mais esportivo e competitivo.
- acima de 13 anos – dança, capoeira, pilates, trilhas, skate, entre outros.


Existem alguns cuidados essenciais que devem nortear a prática de atividades em diferentes fases da infância, adolescência e quando já estão  chegando à fase adulta?

Sabe-se que a imobilidade ou a pouca atividade física diminuem a velocidade de crescimento e a atividade física excessiva pode retardar o crescimento e a maturação puberal. Parece que o treinamento físico moderado não interfere na maturação esquelética nem sexual.
Crianças e adolescentes que praticam atividades esportivas costumam ter massa corpórea magra maior e gordura corpórea menor. É indiscutível os benefícios da prática regular de exercícios para a saúde física, mental e formação de hábitos na criança e adolescente, entretanto devemos tomar cuidado com treinamento esportivo excessivo, tanto em intensidade como em duração, pois podem provocar estresse e lesões.


Como estimular a criança sedentária a trocar os eletrônicos pela atividade física?

. A grande maioria das crianças e adolescentes substitui as atividades físicas pelo computador, videogame ou TV. Recente pesquisa realizada pela Saúde Pública de Niterói (RJ) revelou que 90 a 95% dos adolescentes são sedentários. Para poder mudar esse cenário, devemos oferecer  às crianças e adolescentes  atividades físicas e esportivas que sejam ao mesmo tempo lúdicas e prazerosas, necessitando para isso o estímulo e a participação dos pais, da escola e da sociedade , valorizando esse tipo de atividade.


Qual a quantidade de tempo ideal para a prática de atividades enqto. se é adolescente?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ideal é praticar atividades físicas, em qualquer faixa etária, 7 vezes na semana, durante 1 hora. Um estudo realizado nos Estados Unidos demonstrou que o aumento do incentivo à prática esportiva diminuiu o uso de drogas e a gravidez na adolescência.


Como é possível combater o hábito alimentar ruim, em adolescentes?

A adoção de modismos alimentares inadequados, adquiridos pela influencia da mídia, do grupo social ou do próprio adolescente, como dieta vegetariana, fast food, refrigerantes, podem levar a carências nutricionais com conseqüente prejuízo para a saúde do adolescente como retardo do crescimento e da maturação sexual.
A orientação dietética do adolescente não pode ser imposta nem rígida. Deve haver flexibilidade e fundamentalmente discutida com ele, orientando-o dos riscos da dieta inadequada e suplementando as necessidades quando necessárias.

 

Existe alguma orientação alimentar que não deva ser incentivada em algumas fases da infância e adolescência? Como, por exemplo, a ingestão de carboidratos deve ser restrita em algum momento?

O crescimento e desenvolvimento do adolescente dependem do seu estado nutricional, que sofre forte influencia de fatores ambientais, como a família, escola, trabalho e sociedade. O estirão puberal acarreta um considerável aumento das necessidades energéticas e de nutrientes, sendo que 20% da estatura e 50% do peso do adulto são adquiridos durante a puberdade. As necessidades nutricionais variam com o sexo e faixa etária, estágios da maturação sexual, atividades esportivas, doenças crônicas, gestação, distúrbios alimentares e comportamentais como uso e abuso de álcool e drogas. Devem fazer parte da dieta as proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e sais minerais, especialmente o ferro, cálcio, zinco e vitaminas D, A, C, E, ácido fólico e complexo B.
 

Dra. Maria Cecilia Nigro Batistela
Hebiatra - Especialista em Sexualidade