ARTIGOS

Consumo de álcool pelos adolescentes nas festas de 15 anos

Onde estão os pais???

Adolescência, fenômeno histórico e cultural do início do século XX nas sociedades ocidentais, é uma fase de transição entre a infância e a idade adulta, que coincide com a explosão hormonal da puberdade, levando o adolescente a mudanças biopsicossociais, que o capacitarão a se tornar reprodutivo e sexualmente ativo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e Ministério da Saúde, a adolescência compreende a faixa etária dos 10 aos 19 anos, 11 meses e 29 dias.

 

O adolescente é um indivíduo com características e singularidades próprias desse período evolutivo, em constante crescimento e desenvolvimento, buscando sua identidade e autonomia. Comportar-se por um longo período de maneira incoerente e imprevisível, rebelde, impulsivo, questionador, opositor, vulnerável, idealista, instável, imitando e se identificando com outros, na busca incessante da própria identidade. O pensamento abstrato ainda incipiente faz os jovens sentirem-se onipotentes, expondo-se a perigos sem prever conseqüências. Nessa fase, buscam a identidade sexual, através da experimentação e variabilidade de parceiros e as práticas sexuais são diversas e heterogêneas, sendo a família um importante fator de proteção. A inserção do adolescente nas diversas culturas se dá por meio dos ritos de iniciação e de passagem, de acordo com seus grupos de referência, em especial a família, que colabora para a resolução de conflitos e formação da sua identidade através de seus valores e modelos.

 

Atualmente, um marcante ritual de iniciação para as adolescentes são as festas de 15 anos, quando infelizmente, por pressão dos jovens e negligência dos pais, são consumidas bebidas alcoólicas, impróprias para essa faixa etária.

 

Pesquisas realizadas pelo Ministério da Saúde em 2006 ressaltam o alto consumo de álcool e drogas entre crianças e adolescentes de 9 a 19 anos e jovens de 20 a24 anos, sendo as bebidas alcoólicas as mais relevantes. Levantamento Nacional sobre os Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira, de 2007 aponta que o início do consumo entre os adolescentes de 14 a 17 anos é em média de 13,9 anos.

 

O estudo evidencia que não há diferenças significativas na freqüência de consumo entre os gêneros e que 35% de adolescentes menores de 18 anos consumiam bebida alcoólica ao menos uma vez ao ano e 24% pelo menos, uma vez ao mês. Na adolescência, o primeiro contato com bebidas alcoólicas geralmente acontece por influência dos amigos ou da mídia, pelo exemplo dos pais que bebem, por curiosidade, insegurança ou necessidade de autoafirmação.

 

Onde estão os pais nesse processo? E a sociedade?

O que levaria os pais a oferecerem ou permitirem o uso de bebidas alcoólicas nas festinhas de 15 anos de seus filhos adolescentes, não avaliando as conseqüências para a saúde, para a possibilidade do vício ou abrindo precedentes para o uso de outras drogas?  A família contemporânea está em crise, sofrendo mudanças decorrentes do contexto sócio-cultural vigente. Os pais ausentes de suas casas, pela excessiva jornada de trabalho, deixam de supervisionar a educação dos filhos e delegam essa tarefa para a escola e/ou serviços de saúde, que também não estão aptos a desempenhar essa função e essa lacuna é preenchida pelos meios de comunicação que modelam e interferem na formação das crianças e adolescentes. A educação é liberal, permissiva e compensatória, levando a alterações nos valores organizacionais da família, que sofre a influência da mídia e do consumismo, modificando suas representações, terceirizando a educação e levando a falta de limites.

 

COMO AGIR ?

Cabe a sociedade, a escola e em especial a família, através de educação e ações efetivas, proteger nossos jovens para que tenham uma vida saudável.

 



Dra. Maria Cecilia Nigro Batistela
Hebiatra - Especialista em Sexualidade